Thursday, 17 August 2017

Red Hill Mining Town


Uma das minhas favoritas dos  U2 e do álbum Joshua Tree...
Gosto da música, da letra, da voz...




Deixo também o video do dia 29.




Vejam qual gostam mais.

Red Hill Mining Town

 "is a song by the rock band U2. It is the sixth track from their 1987 album, The Joshua Tree. A rough version of this song was worked on during the early Joshua Tree album writing sessions in 1985. The focus of the song is on the National Union of Mineworkers1984 strike in Great Britain that occurred in response to the National Coal Board's campaign to close uneconomic mines." (Wikipedia, 17.08.2017)

From father to son 
The blood runs thin 
See faces frozen still 
Against the wind 


The seam is split 
The coal face cracked 
The lines are long 
There's no going back 
Through hands of steel 
And heart of stone 
Our labor day 
Has come and gone


Yeah you leave me holding on 
In Red Hill town 
See lights go down, I'm 

Hanging on 
You're all that's left to hold on to 
I'm still waiting 
I'm hanging on 
You're all that's left to hold on to

The glass is cut 
The bottle run dry 
Our love runs cold 
In the caverns of the night 
We're wounded by fear 
Injured in doubt 
I can lose myself 
You I can't live without 


Yeah you keep me holding on 
In Red Hill town 
See the lights go down on 
I'm hanging on 
You're all that's left to hold on to 
I'm still waiting 
Hanging on 
You're all that's left to hold on to, on to


We'll scorch the earth 
Set fire to the sky 
We stoop so low, to reach so high 
A link is lost 
The chain undone 
We wait all day 
For night to come 
And it comes 
Like a hunter child 

I'm hanging on 
You're all that's left to hold on to 
I'm still waiting 
I'm hanging on 
You're all that's left to hold on to 

Love, slowly stripped away 
Love, has seen its better day 

Hanging on 
The lights go out on 
Red Hill  Town
The lights go down on 
Red Hill Town
Lights go down on 
Red Hill town 
The lights go down on 
Red Hill town

Wednesday, 16 August 2017

U2 no Arena em Amsterdam


U2
Concerto pelos 30 anos de Joshua Tree
Arena (estádio), Amsterdam
30.07. 2017




Foi a nossa primeira ida ao Arena e gostámos muito do estádio: moderno, confortável, limpo e organizado. A entrada foi muito rápida e fácil, uma vez que preferimos ir só ao concerto do grupo que nos levava até ali e não assistirmos ao do cantor que fez a primeira parte do espectáculo. Já no interior do estádio, subimos umas escadas rolantes para o nosso destino. Lá chegados, fomos até ao bar e bebemos um prosecco com toda a tranquilidade. Só depois, fui comprar um pacote de batatas fritas e uma garrafa de água. As nossa cadeiras ficavam junto ao corredor e a poucos segundos da porta e do bar.




O meu marido disse-me que foi uma vitória minha estarmos ali. Minha, dele e dos médicos e enfermeiros que me acompanharam, acrescentei.





Ainda me lembro quando perguntei à minha médica, estava eu de cadeira de rodas e cateter e mal podia dar dois passos, se ela achava que poderia ir ao concerto dos U2, no final de Julho. Conforme a médica me lembrou muito bem, não sabíamos ainda se eu iria precisar de fazer nova cirurgia daí a 3 meses, mas que era bom ter objectivos.





Agarrei-me a esta frase, a cirurgia não foi necessária (mas quase foi) e fui ao concerto. Esta conversa teve lugar num momento em que ainda não sabíamos que eu estava com outro problema que levaria ao adiar da possível cirurgia para Outubro.




Ao longo do concerto dos U2, após largos meses de vida "monástica" (contam-se pelos dedos das mãos, as vezes que saí desde Dezembro último para me divertir e passear), festejava tudo: poder estar sentada (muito doloroso antes da cirurgia e daí ter viajado pouco de carro), poder estar de pé, levantar, caminhar, estar sem dores, sem drenos ou cateteres, estar cá fora e não no hospital ou em casa, obrigada pelas circunstâncias. Anyway, apesar de ter tido necessidade de me sentar algumas vezes, GOSTEI MUITO do concerto e o Anton Corbijn está de parabéns pelos efeitos visuais criados.




E foi bom reviver e cantar temas tão bons e tão bem escritos, com os quais cresci e me fiz adulta. Letras que nos falam de temas sociais e trazem a História até nós, seja a do Movimento Solidariedade na Polónia no início dos anos 80, seja a situação política em El Salvador ou a situação dos mineiros no Reino Unido, na mesma época, ou a ode a Martin Luther King e a homenagem às Mães de filhos desaparecidos por motivos políticos.

Do final do concerto:
um bocadinho do tema Miss Sarajevo, desta vez com a imagem de uma jovem refugiada síria.




Mas não foi só o álbum Joshua Tree que passou por ali. Foi a história dos U2, nas suas canções antes e depois do álbum da sua consagração. Toda uma vida. Que também, de certa forma, era a nossa, de quem ali estava. E cantava.




As fotografias  e os videos foram feitos pelo meu marido com o telemóvel, a partir da bancada onde ficámos.





Tuesday, 15 August 2017

Drop earrings, not bombs


Foi neste fim-de-semana, numa visita ao Volkenkundemuseum em Leiden, que, na respectiva loja, tomei conhecimento, pela primeira vez, do projecto Drop earrings, not bombs. A iniciativa visa ajudar mulheres sírias refugiadas a viver na Turquia, a conseguir uma fonte de rendimento e alguma independência financeira. Os brincos são muito bonitos e feitos por elas. Dá vontade de trazer quase todos...Já conheciam este projecto?





Sunday, 23 July 2017

Sebastião Salgado no Nederlands Fotomuseum



A quem estiver por cá e possa interessar, aconselho.

No Nederlands Fotomuseum, em Roterdão.
Até 17 de Setembro.

Fomos até lá este Sábado, mas já tinha visto há 2 anos em Lisboa.
E voltei a gostar. Só que, desta vez, trouxe uma caixa de postais da exposição.





Do tempo em que ainda não havia máquinas fotográficas digitais...

Uma sequência da série Os Americanos.


Ao som de Slice of Life do grupo de rock gótico Bauhaus
O vocalista, Peter Murphy, foi várias vezes fotografado pelo fotógrafo holandês Anton Corbijn (que também dirigiu vários video clips dos Depeche Mode, por exemplo).



Votos de boa semana!


Saturday, 22 July 2017

Bom fim-de-semana!


Uma das minhas canções preferidas dos Depeche Mode.

Para vos desejar um bom fim-de-semana, com tudo de certo para vós.


Thursday, 20 July 2017

Post temporário


O post anterior foi clarificado e alongado. Não estava a falar de amigos, mas dos profissionais de saúde que me acompanharam ( e alguns deles ainda continuam) e isso não ficou claro. Hoje, já com o dia mais fresco, e não insuportavelmente húmido e abafado como ontem, escrevi um post mais longo e preciso como pretendia. Desculpem e Obrigada.

Wednesday, 19 July 2017

Private Post


Hoje o meu coração são nomes e rostos que significam Humanismo e Gratidão. Hoje o meu coração tem um nome imenso, onde ainda faltam nomes que não fixei, mas cujos rostos e vozes não esqueço: Pim, Marleen, Joyce, Jimmy, Eleanora, Femke, Sabine, Nicole, Yvette, Lara, Vlemmix, Berghuis, Muller, Leiden, Rutten, Heijink, Hendriks, Oesha, Jacqueline, Hank, Sheran, Reinou, Mi, Rob, Zahara,...Estes são os nomes dos meus principais cuidadores (três magníficos dos seis cirurgiões que estiveram no teatro de operações durante quase 6 horas, médicos-assistentes e enfermeiros, a ajudante que me dava o banho na cama, a senhora do Patient Lounge, as enfermeiras do Home Care). Com todos tive uma história, ou mais que uma, que ficará para a minha História. Para eles vai a minha Gratidão por todo o seu Humanismo. Porque faz hoje 3 meses, com tudo o que se passou depois. E volto a dizer, faltam aqui nomes, que não memorizei: malta que foi chamada para ajudar quando a situação, por vezes, ficava mal parada (como os anestesistas para  me tirar sangue, quando não se conseguia à nona tentativa, ou mais enfermeiros, como aquela que me disse "a senhora vai sair disto" quando estava num momento mais crítico e já pensava "que era desta que patinava"); a enfermeira que me fez a cistoscopia e me relaxou para esta intervenção, dizendo-me durante o procedimento que era preciso ter coragem quando se é o paciente; e aqueles que foram estando lá sempre, embora em Portugal sejam considerados quase invisíveis ou pouco importantes, como a senhora do catering (que me disse que se preocupava comigo e andava sempre numa ralação porque eu não comia nada ou muito pouco), ou a da limpeza do quarto ( que me perguntava sempre como estava e ficava um bocadinho a conversar comigo), bem como os maqueiros (sempre atentos, com um sorriso, bem-dispostos e com dois dedos de conversa, muito importante quando vamos ansiosos para algum exame ou intervenção; já sem falar na imensa sensação de fragilidade que é andar a passear de cama no hospital). Desde os cuidadosos médicos da Dor, aos médicos e técnicos de Diagnóstico e às equipas de Radiologia de Intervenção (e daqui também a primeira recepcionista) e de Medicina Nuclear, que me aturaram choros, quebras, dores, falta de mobilidade, a todos devo um Muito obrigada. Do que se passou ao longo destes 3 meses, haveria muito para contar...

Ao Dr Pim, agradeço, sobretudo, o facto de me ter vindo visitar todos dias durante o meu primeiro internamento em Abril ( entretanto, ele saiu a trabalho por largas semanas para o Caribe) e ficarmos a conversar como se o tempo não importasse (especialmente no segundo dia, assim que soube que eu estava mais embaixo). Um excelente médico e cirurgião e dono de uma simplicidade ímpar. Um senhor. À Eleanora, uma Ennio Morricone da enfermagem, tal a graciosidade com que executa os mais simples movimentos da profissão (não esqueço a delicadeza dos gestos com que refrescava o rosto das pacientes, o meu incluído, ou a dignidade com que transportava os jarros do xixi). Foi também com ela que fiz as primeiras tentativas para me sentar e dar os primeiros passos. À Yvette, a enfermeira que me trouxe um chá na madrugada em que deixei a epidural para a morfina (era ela que estava responsável por mim nessa noite), de forma a dar-me um pouco mais de conforto para o impacto das dores que depois senti. À Dra Marleen, que nunca me escondeu nada (tal como o Dr Pim) e que ficou frustradíssima pela situação que correu mal durante a cirurgia (eu não fiquei propriamente espantada, pois sabia que era um dos riscos que corria numa intervenção como esta) e me garantiu e coordenou toda a assistência posterior. Uma timoneira, que comandou o barco muito bem, quando, ainda por cima, surgiram complicações posteriores e conflitantes entre si. Às médicas que me socorreram nos episódios de urgência (Vlemmix e Muller) e com quem eu já tinha estado anteriormente - só tive de telefonar para o hospital e assim que lá chegava, subir para o departamento, onde era atendida com muita privacidade e num ambiente sereno, para ficar depois. Às enfermeiras que depois das altas me telefonavam a perguntar se estava tudo bem - prática standard e que muito apreciei. Às Dras Berghuis e Leiden, que preparam muito bem toda a minha transição do hospital para casa com os serviços de Enfermagem Domiciliária (thuiszorg), os serviços de trombose e a Mathot, a empresa que envia o material de enfermagem para nossas casas, juntamente com a enfermeira Sabine, que, no último dia, sentada na minha cama, me disse: " A senhora é muito forte". À Oesha e à Jacqueline, as enfermeiras especializadas que cuidaram muito bem de mim, já em casa. E à Mathot, que nunca falhou no envio do material, que eu tinha de mudar impreterivelmente a cada cinco dias. Por último, queria salientar que em nenhum momento tive o trabalho ou a preocupação de marcar consultas, exames, intervenções, etc, a partir do momento em que dei entrada no hospital. Tudo foi decidido entre as diversas equipas que me seguem ( são 3 departamentos distintos, mas que têm trabalhado em conjunto) e marcado por eles, que, entretanto, me foram comunicando as datas, através dos planos de acompanhamento, cada vez que voltei para casa ( o mesmo sucedeu há dias, e já tenho tudo marcado até Outubro). Da mesma forma, que estão em comunicação permanente com a minha médica de família, enviando-lhe relatórios detalhados, e dos quais recebo exemplares em papel, apesar de publicados na minha página no site do hospital, na qual também são colocados os resultados de todos os exames e as datas das consultas. Assim como também achei muito bom o facto de as enfermeiras registarem tudo electronicamente durante as rondas: medicamentos tomados (morfina, paracetamol, antibióticos, injecções de heparina, comprimidos para o enjoo. etc), medições várias (tensão arterial, nível de oxigénio no sangue, temperatura). Uma questão de segurança para elas e para nós, aqueles computadores rolantes, onde cada colega de turno registava tudo o que se tinha passado com a paciente.


Durante todo este tempo, acho que nunca senti que estava num hospital (e olhem que foram vários internamentos). O sossego da enfermaria (e eu tanto fiquei em quartos de uma como de quatro camas), a organização, o espírito de equipa, a Arte por todo lado (esculturas, pinturas), o lounge dos Pacientes, a zona comercial e de restauração, as condições do quartos, a gaivota que me vinha visitar à janela, tudo contribuiu para que me sentisse num espaço amigável, onde estava a ser muito bem cuidada. Acima de tudo acho que nunca esquecerei a amabilidade das pessoas, das recepcionistas aos médicos, muito importante quando experienciamos situações de grande fragilidade (não conseguir mexer, sentar, levantar, andar, tomar banho, como foi o meu caso, por exemplo). O Dr Pim chegou a perguntar-me se iria escrever sobre o que se estava a passar. Tinha-lhe dito que não, que era demasiado pessoal ( e de certa forma, continuo a manter a parte que me toca mais resguardada). Mas depois rectifiquei e disse " Só se for para ajudar outros expats com informação útil e tranquilizante", que, espero ter passado, pelo menos alguma, nem que seja uma mensagem de confiança. Por outro lado, também queria escrever um post sobre eles, os meus cuidadores (por uma questão de justiça). Espero ter conseguido. Ontem não foi possível, com a humidade e o calor abafado. E sinto que este post ainda não acabou, porque gostava de contar mais sobre cada um deles. Talvez um dia ainda volte aqui.

E porque falámos do Sting, eu, o meu marido e a Femke, num fim-de-semana muito crítico para mim, no passado mês de Maio...Eu, desta canção; a Femke, de outra que gosto muito, Fields of Gold.









Post actualizado a 20.07.2017 às 08:22.